“Obrigada por tudo o que têm feito por nós”

Jovens do Programa Mentores Galp agradecem aos seus mentores, à Galp e à sua Fundação, pela entrega de computadores e pela continuação das sessões, que lhes permite acompanhar as aulas à distância

A frase é de Mariana Duarte, que fazer parte do grupo de 28 jovens do Programa Mentores Galp e cujas sessões presenciais que acontecem todas as quartas-feiras nas Torres de Lisboa passaram a ser feitas via digital. Numa altura em que, como outras estruturas e sistemas, o ensino escolar em Portugal passou a ser feito através de casa e o terceiro período arrancou com aulas à distância, estima-se que existam mais de 50 mil anos que não tenham um computador ou acesso à Internet, o que prejudica gravemente o seu acompanhamento escolar e o desenvolvimento do seu percurso académico.

Desde que o coronavírus deu os primeiros sinais em Portugal, a Galp e a sua Fundação têm vindo a responder a pedidos de apoio das mais variadas áreas e sistemas, onde se incluem a distribuição de computadores a estudantes em situação económica menos favorável. Considerando fundamental incentivar as crianças e jovens a continuarem os estudos mesmo num contexto sem precedentes e de enorme desafio, para que a adaptação a esta nova realidade seja possível, a disponibilização de computadores é essencial.

Os jovens aproveitaram o momento para fazerem um agradecimento aos seus mentores, à Galp e à Fundação, pelo apoio na escola que continuam a providenciar e por lhes permitirem acompanhar mais facilmente as aulas neste contexto de pandemia.

Alexandra Duarte 9º ano “Obrigada pela gentileza de nos terem dado os computadores. Em certos trabalhos fazem-me muita falta. Também foi muito importante oferecerem-se para tirar as nossas dúvidas. Não falo só por mim, mas por todos aqueles em que vocês fazem a diferença. Eu consegui subir as minhas notas com a vossa ajuda.”

Tomás, 8º ano “Agradeço esta oportunidade! Com um computador, sinto que consigo cumprir os meus objetivos escolares!!”

Miriam, 9º3 “Queria agradecer à GALP pelo computador, pois sem esta ajuda não teria conseguido realizar os meus trabalhos. Muitíssimo obrigada!!”

Bélita, 8º1 “Obrigada pelo computador. Como não tinha possibilidades de ter um, gostei muito de o ter recebido e de ter conseguido fazer os meus trabalhos desta forma.”

Subtítulo: Mentores continuam explicações à distância

A oferta de computadores aos alunos que não tinham este equipamento facilitou esta ligação, que continuou mesmo em contexto de pandemia. Em casa, e através de sistemas e redes online como o Teams ou o Whatsapp, os jovens continuam a receber explicações e os mentores continuam a acompanhar o seu percurso escolar.

Mentores e alunos do Programa EPIS continuam assim a poder ter e dar as suas aulas e sentem que está a funcionar bem. Joaquim Marques, Assistente Comercial da área de Gestão Informação e Reporting, dá explicações de Matemática de 9º ano a Arthur Santos e refere que “os sistemas ajudaram bastante e foi uma jornada produtiva, com empenho por parte do Arthur. A sessão começou à hora marcada e a interação funciona bem,”

Laura Carvoeiro, Trainee do Centro de Excelência de Indústria 4.0 na Direção IT & Digital, sua colega de explicações, acrescenta que está a ser fácil esta reorganização online das explicações e elogia o seu aluno dizendo que o jovem estudante “é um miúdo bastante aplicado, o que facilita sempre as explicações. Neste momento temos explicações marcadas para todas as quartas-feiras de manhã, em que todas as semanas alternamos entre mim e o Joaquim, como já acontecia nas Torres.”

Com a agenda escolar dos jovens tão ou mais preenchida que o habitual, há outros grupos que optam por oferecerem a sua disponibilidade de forma a encaixar as agendas de todos. Numa situação tão peculiar para todos, e em tempos tão desafiantes como os denomina, Beatriz forte, Commercial Specialist na área Comercial do Upstream, que dá explicações de Matemática de 9º ano a Alexandra Duarte, uma das estudantes que recebeu um computador, partilha como tem sido todo esta fase de adaptação:

“Vivemos tempos desafiantes, tempos de mudança, de adaptação, adaptação a uma realidade que não era a nossa, mas à qual tivemos de reagir e agir. A responsabilidade social chamou mais alto e tivemos de reestruturar todas aquelas que eram as nossas rotinas e dinâmicas, que que tivemos de substituir por outras formas de estarmos presentes.

Foi nesta contínua vontade de darmos continuidade aos pequenos momentos do “dar e também receber” que continuamos a dar as nossas explicações à Alexandra. O nosso restaurante coletivo passou para o pequeno ecrã do computador ou do telemóvel, contudo, na impossibilidade de fazermos chamada por vídeo, tivemos de arranjar caminhos alternativos para continuar a dar o máximo apoio. Encontrámos um meio-termo e passámos a dar outro uso ao whatsapp onde dúvidas e respostas em formato de mensagem, vídeo ou imagem são trocadas. Apesar da ausência da comunicação em pessoa, tão importante nesta dinâmica, decidimos não baixar os braços e mantermo-nos presentes.”

Abílio Ribeiro, para além de continuar a partilhar o seu saber com Miguel Tavares, a quem dá explicações de Inglês do 8º ano, partilha das incertezas e tempos de mudança sentidos por outros mentores e acrescenta ainda a responsabilidade de conciliar o teletrabalho com a educação dos filhos em substituição das creches e da escola.

No entanto, elogia as ações que a Galp tem conduzido em relação à sua resposta à emergência num tão curto espaço de tempo, para os seus colaboradores e para a sociedade em geral, rematando que continuar com as explicações é “cumprir o seu papel”, considerando ser “fundamental nesta altura, uma vez que estamos todos a remar para o mesmo lado e que existirá sempre um espaço para as coisas que realmente nos movem”.