Homens no espaço: da ficção à realidade

Há 50 anos, o mundo rendeu-se a um homem que fez história ao pisar pela primeira vez a Lua. A Energiser recorda e homenageia a data, à conversa com outro astronauta que marcou a história da NASA, Jim Wetherbee

Quatro dias bastaram desde o lançamento, a partir da Plataforma 39A do Centro Espacial John F. Kennedy, da NASA, na Florida (EUA), para o voo espacial Apolo 11 percorrer os quase 400 mil quilómetros que separam a Terra da Lua. No dia 20 de julho de 1969, às 20h17min.40s UTC, o módulo Eagle, construído para o efeito, “amarava” no Mare Tranquillitatis do até então “misterioso” satélite natural e o comandante da nave, Neil Armstrong, pisava solo lunar. Pela primeira vez na História, um ser humano chegava à Lua. Foi “um pequeno passo para um homem, um salto gigantesco para a humanidade, disse o astronauta americano, então com 39 anos de idade. A frase, épica, foi ouvida por milhões de pessoas estupefactas em todo o mundo, que acompanharam o feito em direto pela televisão, ainda a preto e branco. Para trás tinham ficado anos de pesquisa e de testes aeronáuticos, desde o início do Projeto Apollo, em 1961, nem sempre bem-sucedidos.

Recentemente, a Agência Espacial NASA anunciou uma nova missão à Lua. Está prevista para 2024 e as missões de exploração, com o nome Ártemis (a deusa grega irmã gémea de Apolo), irão começar já no próximo ano. Na génese da ideia está o sonho de desbravar caminho para o ambicioso plano da NASA de chegar a Marte.

UM ASTRONAUTA EM PORTUGAL

Aos 10 anos de idade, Jim Wetherbee tinha o sonho de muitas crianças: ser astronauta. Só que ao contrário da maioria, teve a sorte, e o mérito, de o concretizar. Nunca chegou a pisar a Lua mas foi um verdadeiro viajante espacial, com um recorde de seis missões Space Shuttle no seu currículo, cinco delas como comandante. Especializado em engenharia aeroespacial, e depois de ter servido as forças navais norte-americanas, em 1984 fez parte do grupo restrito de selecionados para um programa de treino de astronautas da NASA que durou seis anos. Da sua bem-sucedida carreira espacial de cerca de duas décadas destaca-se a sua dedicação aos aspetos da segurança e da gestão do risco, uma experiência que continua a transpor para o mundo organizacional.

O comandante Jim Wetherbee, à direita, numa das partidas do vaivém espacial Discovery

A convite da Galp, aterrou, em abril passado, em Portugal, no evento Fórum da Segurança e, à conversa com a Energiser, falou sobre a importância de se tomarem as decisões certas em momentos cruciais, para além de relembrar e descrever como é estar dentro de uma nave espacial e a emoção de observar a Terra a partir do espaço. “É inacreditável! O brilho, o azul dos oceanos… Não conseguimos ver aquela cor cá em baixo.”