Helsínquia quer ser a cidade mais digitalizada do mundo

Big Data ao serviço do cidadão. É desta forma que a capital nórdica quer tirar partido dos terabytes de dados criados pela interação dos cidadãos com os diversos serviços públicos. O resultado serão novos serviços, mais adequados, oportunos e preditivos quanto às necessidades da população

O futuro do trabalho

A mudança, de uma percentagem significativa da humanidade, para trabalho remoto e híbrido está a mudar a forma de as pessoas o encararem e deverá obrigar as empresas a abordagens mais individualizadas com cada um dos seus colaboradores

Desafios da descarbonização da economia

A União Europeia está a liderar um caminho percorrido de formas diferentes por outras regiões do mundo com o mesmo objetivo – chegar ao balanço zero de emissões de gases com efeito de estufa em 2050

Estratégias para a transição energética

Num mundo em mudança, as grandes empresas energéticas da Europa e dos Estados Unidos divergem em relação à forma de encarar a descarbonização. Este foi um dos temas em debate no primeiro dia do Open Days 2021

“Compromisso da Galp com as renováveis é total e absoluto”

Carlos Relancio, diretor de Renováveis da Galp, reafirma que o grupo está empenhado na transição energética e elenca desafios associados aos investimentos nas energias renováveis, como a questão dos preços, a descoordenação entre as diversas entidades envolvidas e o armazenamento da energia

“A inovação é um farol”

Estratégica e central, a inovação na Galp norteia a descoberta das melhores soluções, abre a empresa ao mundo, e traz tecnologia e conhecimento para dentro de casa. Mobilidade é uma das áreas chave

A transformação está em marcha

A mobilidade como a conhecemos hoje vai deixar de existir para dar lugar a um ecossistema de transição tecnológica assente, cada vez mais, no valor social, económico e na componente ambiental, ajustado consoante as necessidades dos consumidores e do mercado

“A economia e o mundo são de baixas emissões”

Cumprir as metas da neutralidade carbónica até 2050 é uma missão ambiciosa que exige reinvenção, inovação para criar tecnologias que ainda não existem, e para aproveitar o momento ideal que vivemos para fazer a transição para um mundo mais competitivo