“Este ano letivo espero tranquilidade e muito calor humano”

O ano escolar está a começar marcado pela pandemia da covid-19. Eis o olhar especial e inspirador sobre a educação da finalista portuguesa ao Global Teacher Prize 2020

A pandemia da covid-19 está a mudar por completo a realidade de todos e a escola não é exceção. Num momento crucial em que os casos de infeção estão a aumentar e o ano letivo a começar, a professora Cristina Simões, finalista do Prémio Global Teacher Prize 2020 com o projeto sobre qualidade de vida dos alunos com deficiências, destaca que, mesmo assim, espera “calma e tranquilidade nas decisões a tomar e, acima de tudo, muito calor humano”, apesar do distanciamento social que se impõe.

São palavras de esperança numa altura de grandes incertezas e desafios, sobretudo para os alunos com necessidades educativas especiais aos quais esta professora de Tondela (Viseu) tem dedicado toda a sua vida de ensino e investigação. “Muitos destes alunos perderam, nos últimos meses, aprendizagens tanto académicas como funcionais, além de verem o seu bem-estar comprometido”, explica à Energiser.

A professora de Educação Especial Cristina Simões foi uma das finalistas do Global Teacher Prize a nível nacional em 2018 e é, este ano, uma das 50 finalistas mundiais do Global Teacher Prize internacional

Sobre a educação em Portugal, Cristina Simões ressalva que o país tem dado passos importantes que permitem transformar de forma positiva o ensino, nomeadamente através do projeto de autonomia da flexibilidade curricular que está a ser implementado desde 2018. “Penso que este projeto vai ser promotor de muitas mudanças na educação portuguesa”, salienta a professora para quem a inclusão de todos os alunos, independentemente das suas características, é a base para que tenham uma boa qualidade de vida. “A educação inclusiva permite operacionalizar o perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória com vista à sua independência, participação social e bem-estar”, defende.

Na corrida para o “Nobel da Educação”

O Global Teacher Prize, também conhecido por “Nobel da Educação”, é um projeto promovido internacionalmente pela Fundação Varkey desde 2014 que chega a 120 países. Em Portugal, esta iniciativa, apoiada pela Fundação Galp, dirige-se a todos os docentes que exerçam a profissão, desde o pré-escolar ao 12.º ano de escolaridade e todos os anos elege um professor “excecional” cujo trabalho se tenha destacado pelas suas práticas inovadoras.

Para a finalista Cristina Simões ser professor constitui uma missão considerando por isso que esta é uma iniciativa ímpar porque traz para a opinião pública todos os esforços que os professores do mundo inteiro dedicam à sua profissão. “Este prémio permite dar a conhecer trabalhos incríveis de professores fabulosos e eu só tenho a agradecer ao Global Teacher Prize nacional e à Galp porque acreditaram em mim e no meu projeto sobre a qualidade de vida dos alunos, bem como ao Global Teacher Prize internacional que me incluiu no ‘top 50’ entre 12 mil candidaturas registadas mundialmente. Sinto-me orgulhosa e honrada”, diz.

Seja qual for o resultado, que excecionalmente devido à pandemia só será conhecido em dezembro, esta professora de Ensino Especial vai continuar a fazer o que sempre fez nos últimos anos: lutar pelo direito à qualidade de vida dos alunos com deficiências.