Aplicações para mudar o mundo

Foram mais de 600 os estudantes que, de norte a sul do país, participaram na 8.ª edição da competição Apps for Good. Ao longo do ano letivo, os jovens prepararam os seus projetos e fizeram a sua defesa perante o júri. As melhores aplicações foram escolhidas e os vencedores anunciados na grande final

Bem-estar e alterações climáticas foram os temas da 8.ª edição da competição Apps for Good, uma iniciativa do CDI Portugal, uma Organização Não Governamental (ONG) que atua nas áreas da inclusão social e da inovação digital, em parceria com a Direção-Geral da Educação (DGE). Ao longo de um ano, o desafio lançado às escolas, alunos e professores, entre o 5.º e o 12.º ano, motivou as equipas, que se dedicaram a desenvolver a melhor aplicação para smartphone ou tablet. O objetivo do programa internacional, com origem no Reino Unido, é mostrar aos jovens o potencial das tecnologias na transformação do mundo e das sociedades.

As etapas regionais permitiram selecionar os projetos com maior impacto nas diferentes regiões do país, e chegar aos 22 finalistas que, a 20 de setembro, marcaram presença na Fundação Calouste Gulbenkian para o desafio final. Nestas etapas, e também no dia da final, as equipas apresentaram os seus ‘pitch’ perante a audiência e o júri, uma vertente muito importante, desde logo, para a preparação destes jovens para o futuro e para quando ingressarem no mercado de trabalho.

A Galp voltou a associar-se à iniciativa que, desde 2015, já impactou quase 19 mil alunos e mais de 1.300 professores, em 536 escolas de todo o país, disponibilizando uma equipa de inovação da sua plataforma de open innovation, Upcoming Energies, para apoiar os participantes a concluir os seus projetos com sucesso. “A Galp tem feito um caminho gigante em termos de inovação”, afirmou Ana Casaca, Global Head of Innovation da Galp, durante o painel de debate que antecedeu a entrega dos prémios da 8.ª Edição da competição Apps for Good. “Somos uma incubadora de ideias e pessoas, e estamos continuamente a aprender”, reforçou. Recorde-se que a Galp – Upcoming Energies, em parceria com o Apps for Good, lançou este ano o curso-piloto “Climate Action & Wellbeing”, que desafiou os mais novos a criar soluções digitais e tecnológicas que permitam dar resposta às alterações climáticas. Este piloto, implementado para já em seis escolas e num universo de 206 alunos, tem por objetivo suscitar atitudes e comportamentos mais sustentáveis nos jovens. Com efeito, no final do curso, 83 por cento dos alunos participantes disseram sentir-se mais informados, confiantes e inspirados para agir em matéria de alterações climáticas.

Doze prémios para 7 escolas

O empenho e a motivação das escolas participantes foram destacados, de forma transversal, pelos elementos do júri, por João Baracho, diretor-geral do CDI Portugal, e pelos representantes do Governo, o Secretário de Estado da Educação, António Leite, e a Secretária de Estado do Desenvolvimento Regional, Isabel Ferreira. Para todos os que marcaram presença na etapa final desta competição, ficou patente que a educação é cada vez mais transversal e que esta iniciativa faz um cruzamento virtuoso e necessário entre a tecnologia e o bem. “A tecnologia cria oportunidades, mas também dificuldades porque toda a tecnologia permite incluir e excluir, e tem a capacidade de fazer o bem ou o mal, consoante é aplicada”, disse António Leite. No entanto, reforçou, “é nossa obrigação garantir que ninguém fica para trás”.

O Secretário de Estado da Educação, António Leite, destacou as oportunidades que a tecnologia permite criar, bem como a necessidade de garantir que “ninguém fica para trás”

O momento alto chegou depois dos discursos oficiais e quando a plateia já fervilhava de curiosidade. Os 12 prémios foram atribuídos a sete escolas, uma vez que cada instituição de ensino podia concorrer com várias equipas, com a região norte a arrebatar a grande maioria das distinções.

Os dois primeiros lugares, nas categorias Básico e Secundário, foram atribuídos, respetivamente, aos projetos Collect Oil e +PorSi, da Escola Básica Dr. Francisco Sanches, em Braga, e da Escola Secundária de Sacavém. O primeiro é uma solução para promover e motivar a população a reciclar o óleo utilizado, e o segundo visa melhorar a comunicação entre cidadãos e a Junta de Freguesia de Sacavém e Prior Velho.

O segundo lugar do pódio na categoria de Ensino Básico foi atribuído à aplicação Recycle Go Give Now, desenvolvida por jovens da Escola Básica da Maia com o objetivo de encontrar contentores para reciclar materiais específicos e para saber onde doar artigos que já não se utilizam. Em terceiro lugar ficou mais uma equipa da Escola Básica Dr. Francisco Sanches, com o projeto School Care Students (SCS), desenvolvido para a troca de bens essenciais entre os alunos da escola.

Na categoria Secundário, os segundo e terceiro lugares foram para as equipas das escolas Secundária Homem Cristo, em Aveiro, e Secundária da Maia, com as apps EP+, que visa melhorar os procedimentos internos em estabelecimentos prisionais, e a SmartShower, que quer ajudar a diminuir o desperdício de água nos momentos iniciais do banho, respetivamente.

Entre as categorias apoiadas pelos patrocinadores, Carolina Vale, da Escola Secundária de Molelos, em Tondela, recebeu o prémio Jovem Aluna .PT, atribuído pelo .PT, pela aplicação desenvolvida para manter informadas pessoas com deficiência e cuidadores. Já a aplicação LP&G, que quer tornar a Língua Portuguesa e Língua Gestual Portuguesa mais interativa e lúdica, criada por Francisca Rodrigues, da Escola Secundária D. Maria II, em Braga, recebeu o prémio Young Digital Women, atribuído pela Synopsys.

O prémio Climate & Energy, promovido pela Galp – Upcoming Energies, foi atribuído à equipa da EcoBox, da Escola Secundária de Vila Verde, enquanto o prémio Cooler Planet, do BNP Paribas, escolheu a aplicação da equipa Collect Oil. O prémio do público coube à app Bus Stop, desenvolvida pela EB 2/3 Dr. Eduardo Brazão de Castro.

1st Elementary Prize
1/11

1st Elementary Prize

2nd Elementary Prize
2/11

2nd Elementary Prize

3rd Elementary Prize
3/11

3rd Elementary Prize

1st Secondary Prize
4/11

1st Secondary Prize

3rd Secondary Prize
5/11

3rd Secondary Prize

Climate & Energy Prize
6/11

Climate & Energy Prize

Cooler Planet Prize
7/11

Cooler Planet Prize

Young Student Prize
8/11

Young Student Prize

Public award
9/11

Public award

Young Digital Women Prize
10/11

Young Digital Women Prize

11/11

Em jeito de despedida, João Baracho aproveitou ainda o palco da Gulbenkian para anunciar que, em 2023, este projeto irá crescer através do programa App Start Up, que será alargado a equipas nas prisões e a nível internacional.